domingo, 24 de junho de 2012

Vento triste

um raio de sol, laranja e cheio de fiapos,
iluminava em uma fresta a lembrança que eu tenho de você.
Poeira e sol, lembrança e eu só,
Simplesmente por querer do tempo.
O perfeito requer circunstâncias nas quais a gente sofre e chora,
para amadurecer. E ser perfeito, ou não.
Nunca somos, mas tentamos.
Porém, por milhões de dias, duramos.
Por mais distante que te ponhas, um vento triste traz teu cheiro,
e me ponho em desespero, num tapete carmesim, segurando as lembranças,
que o tempo mendigou para mim.

2 comentários: